Energia como intermédio entre Espírito e Natureza

1185086_637637192936561_1394233584_n-240x240Diego Carvalho tem por princípios a autonomia, cooperação, solidariedade, espiritualismo, coletivismo e familiarismo. Sua existência se movimenta por viagens ao redor do Brasil, saiu da rotina doméstica desde cedo, acredita que devemos lutar por uma organização harmônica do indivíduo para o meio, e não do meio para o indivíduo.

FilosofiaVerde: A vivência cotidiana dos homens acabou por assumir um modo de vida agitado, muitas vezes levando o ser ao afastamento do homem interior. O que pensa sobre o tema?

Diego Carvalho: Isso foi uma consequência também da sedução do poder. O poder da razão é grande e quando mal aplicado afasta o homem de si mesmo, especialmente na esfera política. O Capitalismo representa pra mim a dominação de um Ser humano por outro, a desigualdade e a valorização da matéria contra a humanidade. Eu uso o capital pra suprir minhas necessidades básicas sem me faltar nada. Não acumulo o dinheiro, compro minhas roupas em brechó ou acho por aí, como o alimento que é encontrado nos sacos pretos em frente a lanchonetes, padarias e super mercados. Quando acho desnecessário pagar um hotel, durmo em praças, rodoviárias e praias. Vivo só trabalhando, viajando, reciclando e contemplando.

FV: Você acredita na igualdade entre os seres?

DC: Eu não acredito nisso dentro de uma realidade. Entretanto, em nível mental podemos buscar nos aproximar de uma visão do individuo e do coletivo como relação de eu para eu mesmo. Partindo da idéia de que o que eu faço a ti, também faço a mim. Devemos respeitar a liberdade do outro da livre escolha, sempre cooperando em vez de competir. É claro que o geral não vai ser uniforme, e nem deve, porque caso contrário não haveria motivos para lutar. A luta interna é a única luta verdadeira, o resto é reflexo.

FV: Sobre seu pensamento acerca da vida, que perspectivas filosóficas você teria tomado como ponto de partida para a reflexão?

DC: Acredito que todos somos o espírito, e que nos manifestamos no fenômeno material, que é a Natureza, o Universo visível numa engrenagem que segue Leis. A energia é o intermédio entre o Espírito e a Natureza, que são as ramificações da ordem central. Espiritual, Astral e Corporal é uma visão que unifica todas as filosofias, não sendo fiel a nenhuma.

FV: A respeito da liberdade, o que pensa sobre o termo?

DC: Liberdade é uma busca, deve sempre estar à frente. É no Espírito que eu creio, e nas leis que dele emana. Nessas leis, eu sou servo da minha consciência. Se livre é fazer o que quer, eu sou livre. Posso fazer o que quero. Mas se eu fizer sem acordo com minha consciência, construiria prisões mentais. Eu não posso fazer o que quero perante a lei dos seres animais humanos, por que eles estão tão aprisionados, que não permite que ninguém fique sem gaiolas.

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Categoria: Espiritualidade, Misticismo

Sobre o(a) Autor(a) ()

Estudante de Filosofia (Universidade Federal de Pernambuco - UFPE), tenho paixão pelo mundo. Busco conhecer a vida em seus mais íntimos aspectos: desde a origem do primeiro ser ao que está se desenvolvendo no imensurável circulo existencial. Prezo pela comunicação afetiva e verdadeira e, através de tais encantos, vivencio a Palavra em seus mais profundos aspectos, isto é, o conhecer e o comunicar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas