Incentivo e fomento da agricultura orgânica

IMG_20150621_152351264A produção de alimentos no mundo tem, em larga maioria, sido responsabilidade da agricultura convencional¹, porém gradativamente vários países começaram a apoiar a agricultura orgânica², seja realizada pelo próprio Estado ou incentivando ($$) agricultores.

Em especial um país tem se destacado nas políticas de incentivo e fomento da agricultura orgânica, a Dinamarca. Em seu Plano de Ecologia, o Ministério da Alimentação, Agricultura e Pesca mostra real empenho em transformar a produção alimentícia nacional em orgânica na sua totalidade a partir de algumas políticas públicas, destacam-se as mais importantes como dobrar a área de cultivo orgânico até 2020, reestruturar as propriedades rurais estatais para prática agrícola ecológica, fortalecer o ensino da ecologia no ensino primário e aos agricultores e incluir os cursos de nutrição, alimentação saudável e agricultura natural na grade curricular do sistema atual de educação. Serão privilegiados os produtores que quiserem investir na conversão de suas terras, da agricultura convencional para a orgânica e biodinâmica e os projetos que visem o desenvolvimento de novas tecnologias para a promoção da sustentabilidade no campo. As Instituições públicas nacionais, que atendem cerca de 800 mil refeições por dia, estão progressivamente adicionando alimentos orgânicos na preparação dos alimentos. A nível urbano tem incentivado a ocupação de áreas antes baldias, com produção de hortaliças de forma orgânica, já acontece aqui no Brasil com maior foco em São Paulo que tem bons exemplos de hortas comunitárias.

Com relação aos fatores numéricos de crescimento a exportação de produtos orgânicos aumentou de 243 milhões de Reais em 2007 para 795 milhões em 2013, e a tendência parece continuar. O governo vai injetar ainda 18 milhões para fortalecer o mercado ecológico, a Dinamarca tem uma marca nacional orgânica que celebra seu 25º aniversário.

Em contrapartida, o Brasil mostra que mesmo a passos lentos está acordando para este assunto, seja pelo ponto de vista ecológico ou financeiro. Em junho foi lançado o Plano Safra 2015/16 pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e podemos destacar como políticas de incentivo à agricultura orgânica a compra do café orgânico pelo próprio MDA e ampliação da capacidade de multiplicação de sementes orgânicas nas propriedades de agricultura familiar.

Os avanços mundiais em relação a produção de alimento consciente no mundo são positivos e relevantes, mas será que temos de parar por ai? A agricultura orgânica é a ponta do iceberg da conservação da água e do solo, assunto que tem sido bastante discutido por conta do grande número de áreas degradadas vitimas da agricultura convencional. Ainda carece muito de uma melhor relação entre a política e a academia, onde vem se crescendo muito os estudos sobre a produção de alimentos saudáveis e a conservação da Mãe Natureza, e principalmente comprovação dos conhecimentos ancestrais empíricos de povos tradicionais, que é de vital importância visto que sempre se retoma o conhecimento, não se cria.

¹ Prática agrícola onde há remoção de vegetação nativa (desmatamento), adubação química, defensivos agrícolas (agrotóxico).

² Sistema de produção de alimento que não há uso de produtos químicos/sintéticos nem sementes geneticamente modificadas.

Tags: , , , , , ,

Categoria: Agronomia, Biofilia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas