O Bicho de 7 Cabeças

bichodesetecabecas5O Bicho de 7 Cabeças. Brasil, 2001. Dir. Laís Bodanzky. Com Rodrigo Santoro, Othon Bastos, Cássia Kiss, Jairo Mattos, Caco Ciocler, Luis Miranda, Valéria Alencar. Duração: 1h20.

Assentado no relato autobiográfico dos Contos Malditos de Austregésilo Cerrano Bueno, o filme Bicho de Sete Cabeças mostra como Neto, personagem de Rodrigo Santoro, conhece a cruel realidade dos hospícios manicomiais brasileiros. O jovem já tinha conflitos com os pais há um tempo, mas o clímax das desavenças acontece quando um cigarro de maconha é encontrado em sua bolsa.

Seu pai, bastante ignorante e rude, sequer procura saber de sua relação com o mundo das drogas, e, considerando-o como um viciado, simplesmente o leva num manicômio onde nem mesmo se pondera a necessidade de internação, seja ela por um teste sanguíneo ou psicológico. Neto não é ouvido por ninguém, especialmente por sua família, que mesmo sendo relatada a respeito da cruel clínica, opta por ignorá-lo.

O filme é excelente para reflexionar sobre a família e sua relação com as drogas e a adolescência. A partir da história de Neto podemos pensar em como as figuras de autoridade, isto é, os pais, precisam de um conhecimento mínimo para legitimar suas decisões. Educar é ensinar alguém a se relacionar com os outros e consigo mesmo. Prender-se a uma moral estática pode acabar por suprimir o verdadeiro cuidado, especialmente quando se está diante de jovens angustiados existencialmente. O entendimento da cultura e do bem comum é um longo processo que deve ser tratado com atenção de indivíduo para individuo, de pais para filhos.

Tags: , , , , , , , , , ,

Categoria: Literatura e Cinema

Sobre o(a) Autor(a) ()

Estudante de Filosofia (Universidade Federal de Pernambuco - UFPE), tenho paixão pelo mundo. Busco conhecer a vida em seus mais íntimos aspectos: desde a origem do primeiro ser ao que está se desenvolvendo no imensurável circulo existencial. Prezo pela comunicação afetiva e verdadeira e, através de tais encantos, vivencio a Palavra em seus mais profundos aspectos, isto é, o conhecer e o comunicar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × quatro =

Pular para a barra de ferramentas