Pleonasmo

Viver me faz ser redundante no âmbito da vida,
Ou melhor, dizer que vivo é pleonástico.
Eu poderia caminhar calma e silenciosamente,
Mas se falo e tu me entendes tenho quando menos um pingo de razão.

Não posso fugir do que sou
Tampouco dar cara a tapas ao nada.
Isso sim seria uma fraqueza de ânimo.

Viver é um pleonasmo.
É redundante dizer que vivo porque há vida
E também que vivo porque existo.

Aqui é redundante dizer qualquer coisa,
Mas nem essas palavras calam minha boca.
Minha língua se move porque beijo a vida.

Se fosse para calar eu ficaria com a mentira.
Se fosse para mentir eu ficaria com a meia-verdade.
Se fosse ao vazio talvez – e somente talvez – eu teria a completude.
Porém – e certamente há aqui um porém – enquanto há desejo
Não existe completude, existe um caminho.

Dizer que percorro um caminho enquanto o percorro,
Dizer que percorro um caminho enquanto vivo…
Isso sim é um pleonasmo!

Viver é caminhar.
E assim dar voltas e voltas
Só para dizer que viver é uma jornada em círculos.

Categoria: Artes e Letras, Poesias

Sobre o(a) Autor(a) ()

Estudante de Filosofia (Universidade Federal de Pernambuco - UFPE), tenho paixão pelo mundo. Busco conhecer a vida em seus mais íntimos aspectos: desde a origem do primeiro ser ao que está se desenvolvendo no imensurável circulo existencial. Prezo pela comunicação afetiva e verdadeira e, através de tais encantos, vivencio a Palavra em seus mais profundos aspectos, isto é, o conhecer e o comunicar.

Comentários (2)

Trackback URL | Feed RSS dos Comentários

  1. Bruno Barreto Cordeiro Silva disse:

    Pleonasmo é dizer o quanto você é maravilhosa

  2. Ismar Dias disse:

    Redundante e Malicioso, Pleonasmo é viver e não se cansar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 + três =

Pular para a barra de ferramentas