Por que a Filosofia?

Agora me vejo com sorte por saber que minhas primeiras motivações para adotar uma vida filosófica foram as morais. Nesse quesito os pensadores clássicos me encantaram com suas intenções genuínas; parafraseando Epicuro, quando diz que nunca é cedo para cultivar a filosofia e a felicidade, pois a primeira sendo o meio e a segunda o fim, a filosofia te prepara ao longo de toda a vida para ser feliz; mas também nunca é tarde a ponto de não ter o que reputar de bom para si, uma vez que todos desejam a felicidade. Meu interesse pela filosofia poderia não ter sido assim, isto é, poderia ter sido mais científico e acadêmico, mas se não o fosse assim no começo, acredito que dificilmente teria insistido na filosofia. Parece que os temas dos valores é o que a filosofia mais carrega de concreto, de fato são os que mais perduram, e não são estranhos ao cotidiano, distintamente de questões mais científicas que, apesar de serem altamente elaboradas, tendem a permanecer em seus séculos. Todavia, os valores morais que os antigos filósofos encontraram ainda se fazem relevantes e perenes para quem insiste em alcançar uma certa prosperidade, que é possível em seus próprios limites, e tampouco ignora a sorte, a saúde ou a fortuna. Bens que são necessários, pois a realidade humana é frágil. Talvez um dos maiores motivos para a filosofia existir, é o preceito que nem todos podem ser felizes, mas a possibilidade não exclui a própria possibilidade, isto é: isso não quer dizer que alguém ainda não possa ser feliz. A sorte está lançada, mas com um pouco de filosofia ela se torna bem-vinda!

Tags: , ,

Categoria: Existência, Filosofia

Sobre o(a) Autor(a) ()

Estuda filosofia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e é um entusiasta das ciências naturais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas