Natalia Cruz Sulman

Estudante de Filosofia (Universidade Federal de Pernambuco - UFPE), tenho paixão pelo mundo. Busco conhecer a vida em seus mais íntimos aspectos: desde a origem do primeiro ser ao que está se desenvolvendo no imensurável circulo existencial. Prezo pela comunicação afetiva e verdadeira e, através de tais encantos, vivencio a Palavra em seus mais profundos aspectos, isto é, o conhecer e o comunicar.

feed RSS Facebook Site do Autor

Natalia Cruz Sulman: Suas Últimas Postagens

O Naturalismo e a Espiritualidade de Lothlorien

O Naturalismo e a Espiritualidade de Lothlorien

Voltado para o Naturalismo e a Espiritualidade, Lothlorien é um centro localizado na Chapada Diamantina, Vale do Capão, no Estado da Bahia. A comunidade busca vivenciar e divulgar formas alternativas de vida, praticando medicina naturista, alimentação ovo-lacto-vegetariana integral, agricultura orgânica, ecologia e meditação. Além disso, Lothlorien participa de ações sociais nas comunidades ao redor do […]

Continue Lendo

Sobre a natureza e a contemplação

Através de uma sabedoria luminar, Plotino expressa como todas as coisas anseiam a contemplação e miram esse fim, não só os viventes racionais, mas também os irracionais e a natureza nas plantas e na terra que as engendra. Todas elas contemplam com a intensidade que lhes é possível, atingindo este fim de modo diferente, umas verdadeiramente, […]

Continue Lendo

Angiospermas: A multiplicidade a partir de um único ancestral comum

Demasiadamente encantador foi ter tido a fortuna de ser introduzida às plantas com frutos/flores chamadas angiospermas (filo Anthophyta). Certamente desenvolver a ciência de suas sombras intensifica ainda mais a experiência estética do contato entre homem-angiosperma: essa última, por representar a maior parte das plantas do mundo visível, pode ser contemplada nos mais diversos lugares: em […]

Continue Lendo

Entre o evolucionismo, funcionalismo e procronismo

Entre o evolucionismo, funcionalismo e procronismo

Curioso é sustentarmos as teorias dos considerados grandes biólogos sem dar margem a perguntas como: quais foram as origens de suas ideias? Não estariam elas muitas vezes pautadas pela fé – mesmo que fazendo uso da análise empírica ou mesmo de outro criterioso método; como, numa visão arcaica, Henry Gosse é criticado –? Ou será […]

Continue Lendo

“Meu corpo, minhas regras”?

“Meu corpo, minhas regras”?

Quem de nós mulheres pode estabelecer uma regra própria aos seus respectivos corpos? Acaso o que importa nesta sentença é unicamente o nível civil, como se esse estivesse apartado da natureza? Claro que nesse âmbito o “nosso“ corpo não é (ou não deveria ser) propriedade de homem algum nem do Estado e das demais organizações […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas