Natalia Cruz Sulman

Estudante de Filosofia (Universidade Federal de Pernambuco - UFPE), tenho paixão pelo mundo. Busco conhecer a vida em seus mais íntimos aspectos: desde a origem do primeiro ser ao que está se desenvolvendo no imensurável circulo existencial. Prezo pela comunicação afetiva e verdadeira e, através de tais encantos, vivencio a Palavra em seus mais profundos aspectos, isto é, o conhecer e o comunicar.

feed RSS Facebook Site do Autor

Natalia Cruz Sulman: Suas Últimas Postagens

O peso das estrelas

Fomos os primeiros A medir o peso das estrelas E o ruidoso brilho dos astros. Fomos os primeiros, As primeiras pequenas partes De partes e partes iguais. Fomos os primeiros A nomear ao nosso redor; Nada de magia, nada de surpresas. Só matéria, só abismo Dos primeiros seres realmente Viventes para a morte. Fomos os primeiros; […]

Continue Lendo

Homicídio alimentar e suicídio invisível

Homicídio alimentar e suicídio invisível

Perceber que se tem certos vícios alimentares ainda não considerados indiciosos por quase ninguém, ou ao menos pela massa da população que também os têm, é como encontrar um enferrujado cadeado de laboriosa abertura. Sucede que a intemperança do declínio ético-corporal se torna de difícil cura, pois sua incorreção é muito mais sutil que, i.g., o álcool, o […]

Continue Lendo

Nomen e numen: o nome e o mistério

Nomen e numen: o nome e o mistério

Uma larga tradição da Roma antiga acreditava que na essência de cada coisa encontra-se um numen (o “mistério”, o “ignoto”). Por isso, de modo sacral, entre os romanos, conhecer a verdade de uma coisa (seu numen) é, por assim dizer, apreender o seu nomen. Portanto, falar um nome (tradução livre para nomen), antes de pronunciar um signo linguístico […]

Continue Lendo

Pragmática: Implicatura Conversacional

A Implicatura Conversacional, uma das ideias mais importantes da pragmática, indica uma série de explicações funcionais dos fenômenos linguísticos; sendo ela que comporta a compreensão de como é possível querer dizer mais do que é efetivamente dito ou expresso literalmente; garantindo assim a uma língua a coexistência de um núcleo semântico estável ao lado de […]

Continue Lendo

O problema da linguagem em Plotino

Discorrer sobre a linguagem em Plotino não é um encargo estático, compacto, antes, é uma corrente atualização do próprio discurso uma vez que sua filosofia não se pauta em meros significantes. Entender seu pensamento, portanto, não é o mesmo que inteirar-se acerca de aspectos qualitativos sobre o Um, o nous, a alma e o corpo. Foi sobre isso que muitos […]

Continue Lendo

Referências bibliográficas sobre o Cristianismo Ortodoxo

Livros em português Anônimo – Relatos de um Peregrino Russo (link) Kallistos Ware – A Igreja Ortodoxa (link) Diálogo de São Serafim com Motovilov (link) M. Pomazansky – Teologia Dogmática Ortodoxa (link) A Pequena Filocalia (Ed. Paulinas) Tito Colliander – O Caminho dos Ascetas (Ed. Paulinas) A invocação do nome de Jesus – Monge da […]

Continue Lendo

A lectio escolástica e a leitura em nossos dias

A lectio escolástica e a leitura em nossos dias

Enquanto a maioria dos brasileiros lê mal, o modo como uma lectio se estruturava na escolástica decerto é invejável. Vejamos: ela perpassava por quatro fases: i. leitura em voz alta de uma seção de texto; ii. apresentação, divisão e destaque da estrutura e principais partes do texto; iii. exposição de cada uma dessas partes com […]

Continue Lendo

“O que é Filosofia?” à luz do Cristianismo Ortodoxo

“O que é Filosofia?” à luz do Cristianismo Ortodoxo

Continue Lendo

Ruído

Tão próximo mas tão distante Eis como agora se enuncia o filosofar Se anuncia a mim o seu murmúrio As suas letras Ecoando como um Logos ruidoso Tempos de juventude e filosofia?! Já foram meus e se foram; embora Já não necessito de ti Abandonei-me ao silêncio Já não necessito de ti Mas ainda à […]

Continue Lendo

O problema da tradução à luz de Heidegger e Carlos Nougué

Entre os textos filosóficos é muito difícil, de um idioma ao outro, alcançar uma tradução acabada. Com a tradução costumamos perder muito: o indicativo original; o signo “x” que, i.g., quase perfeitamente se aplica no alemão mas não no português; a linguagem originária do “pai” ou “mãe” da obra. Aliás, antes mesmo de traduzir uma expressão à outra, o […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas