Blog

Nietzsche: Verdade e mentira no sentido extramoral

Nietzsche: Verdade e mentira no sentido extramoral

Em Verdade e mentira no sentido extramoral, a filosofia de Nietzsche é trágica, se opõe à idolatria da verdade e ao otimismo vazio dos modernos. Longe daquilo que pensa a tradição, seu enfoque é na vulnerabilidade do ser vivo, do homem sobretudo, que é aqui compreendido em sua fraqueza, em sua imanência, que há séculos […]

Continue Lendo

Por que é improfícua a busca do filosofar sem a tradição (História da Filosofia)?

Por que é improfícua a busca do filosofar sem a tradição (História da Filosofia)?

Sobre isso, Aristóteles diz algo muito interessante: que a investigação sobre a verdade é, sob certa ótica, difícil, mas, sob outra, fácil. Isso porque, por um lado, ninguém sozinho consegue adquirir conhecimento de maneira significativa, embora todos, em conjunto, não falhem por completo. Por que não? Porque embora o que cada um individualmente afirme sobre […]

Continue Lendo

Os sem glória

Os sem glória

Muito me apraze ouvir os sábios, mas sábios não encontro na minha cidade; não os descortino à minha volta, e fico à mercê de meu próprio intelecto Mas quão duro é viver no meio dos muitos, e penoso poder falar mas não ser ouvida; poder sentir, mas nunca comunicar o sentido É tão sofrível quanto não […]

Continue Lendo

O que significa “penso, logo sou”?

O que significa “penso, logo sou”?

| 28/04/2018 | 1 Comentário

1. Apresentação “Cogito, ergo sum” significa “penso, logo sou” [1]. Essa frase é de autoria do filósofo e matemático francês René Descartes (1596 – 1650). Na quarta parte da versão francesa de Discurso do Método (1637), essa sentença é formulada como “je pense, donc je suis” [2]; nesse sentido, “cogito ergo sum” é a sua […]

Continue Lendo

O Significado de Heresia

O Significado de Heresia

Compreendemos o problema da heresia quando adentramos no significado da palavra em questão; o que significa heresia, afinal? Significa “a escolha, a seleção e preferência de uma parte da verdade em detrimento do todo da verdade”. Que isso quer dizer? Que os heréticos absolutizam apenas um aspecto da verdade, um aspecto, no entanto, que comporta […]

Continue Lendo

A linguagem em Platão à luz de Arendt

A linguagem em Platão à luz de Arendt

| 26/07/2017 | 0 Comentários

Em A vida do Espirito, Hannah Arendt disserta (p. 90), se baseando na famosa Sétima Carta de Platão, sobre a visão do autor em relação à linguagem. Em geral, Platão escreve seus textos em forma de diálogos. Isso não parece se dar por acaso, já que, de acordo com Arendt, Platão crê que é possível […]

Continue Lendo

Principais frases dos Relatos de um Peregrino Russo

Principais frases dos Relatos de um Peregrino Russo

1. Pela graça de Deus, sou um homem cristão; pelas minhas ações, um grande pecador. 2. A própria oração vai revelar-lhe de que maneira ela pode se tornar uma prece perpétua; mas isso demora algum tempo. 3. Não é através da sabedoria desse mundo nem através de um vão desejo de obter conhecimentos que somos […]

Continue Lendo

A alma tirânica e os sonhos

A alma tirânica e os sonhos

Dizia o velho Platão que no sonho, mesmo entre os homens mais virtuosos, a razão adormece; e enquanto dorme, desperta a irascibilidade. O mesmo pensamento (ou ao menos o cerne dele) permanece ao longo dos séculos, continuadamente vivo entre os mais versados homens modernos sobre os sonhos, a maioria deles mencionados por Freud em sua […]

Continue Lendo

Não há vida intelectual sem oração

Não há vida intelectual sem oração

Não há vida intelectual sem oração, ainda que em certo grau possa haver a erudição nos ímpios. Isso porque, como expressa São Máximo, a oração – e somente ela – separa o intelecto dos pensamentos, apresentando então a verdade integralmente desnuda. Para compreender a necessidade desse desnudamento, é preciso ter em mente duas coisas: a […]

Continue Lendo

A angústia na filosofia heideggeriana

A angústia na filosofia heideggeriana

Na angústia o homem se sente estranho – todas as coisas e o próprio ser-aí afundam numa indiferença. Através dessa indiferença, o homem deixa de encontrar apoio no ente. Não há significação, não há projeto de ser, não resta nenhum consolo: o ente já não diz nada. A angústia, nesse sentido, inviabiliza que o ser-aí […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas