RSSFilosofia Moderna

O que significa “penso, logo sou”?

O que significa “penso, logo sou”?

| 28/04/2018 | 1 Comentário

1. Apresentação “Cogito, ergo sum” significa “penso, logo sou” [1]. Essa frase é de autoria do filósofo e matemático francês René Descartes (1596 – 1650). Na quarta parte da versão francesa de Discurso do Método (1637), essa sentença é formulada como “je pense, donc je suis” [2]; nesse sentido, “cogito ergo sum” é a sua […]

Continue Lendo

A liberdade dos antigos comparada à dos modernos

A liberdade dos antigos comparada à dos modernos

Em seu discurso Da liberdade dos antigos comparada à dos modernos, Benjamin Constant se propõe a distinguir duas formas de liberdade, qual seja, a da Antiguidade e da Modernidade, sendo a primeira sumamente entendida como liberdade política, e a segunda, como liberdade individual. A liberdade dos antigos, diz ele, “…consistia em exercer coletiva, mas diretamente, […]

Continue Lendo

Semelhanças e diferenças entre Marx e Hegel

Semelhanças e diferenças entre Marx e Hegel

Com finalidade de demonstrar as semelhanças e diferenças entre Karl Marx e G. W. F. Hegel, devemos, antes de tudo, principiar que muitas de suas discordâncias estão imersas em suas convergências, pois Marx retira muito do pensamento de Hegel, sem, porém, se limitar a este, razão pela qual o primeiro “revoluciona” o sentido da obra […]

Continue Lendo

O conceito de Logos em Heidegger

Uma das propostas fundamentais de Heidegger é desobstruir a polissemia do conceito de logos. Eis como, à sua maneira, a filosofia heideggeriana se volta à anterioridade do logos apofântico[1] que, ao contrário de vislumbrar o ser simplesmente dado (vorhanden), se atenta ao contexto de cada coisa em sua relação com a totalidade. O sujeito então […]

Continue Lendo

A teologia antropológica e a filosofia do futuro de Feuerbach

A teologia antropológica e a filosofia do futuro de Feuerbach

Apêndice d’Essência do Cristianismo: “O meu livro contém, disse-o acima, o princípio desenvolvido in concreto de uma filosofia nova, não dirigida à escola, mas ao homem.” Na grande Heidelberg, situada no vale do rio Neckar, na Alemanha, o jovem Feuerbach, tendo sido educado no protestantismo, concluiu seu curso de Teologia, mas adiante, detendo-se à Filosofia, veio a […]

Continue Lendo

Crítica de G. K. Chesterton ao ceticismo da Modernidade

G. K. Chesterton, embora tenha vivido num momento histórico cujo império das opiniões circundava a praticidade antimetafísica, encontrou um direcionamento oposto à Modernidade, a saber, o seio da tradição cristã. Na sua busca, em primeiro lugar, ele intuiu que este mundo é incapaz de explicar-se. Em segundo, passou a acreditar que o sobrenatural tem algum significado, e que isso […]

Continue Lendo

Qual a diferença entre Descartes e Spinoza na definição de “substância” ?

Qual a diferença entre Descartes e Spinoza na definição de “substância” ?

A definição de substância cartesiana diz que é substancial toda a coisa que existe em si mesma sem precisar de qualquer outra para existir. No entanto, essa é sua significação stricto sensu, pois, adiante, o filósofo distingue a substância incriada das substâncias criadas, o que o leva, conforme comenta Spinoza, a ser clara e distintamente rígido […]

Continue Lendo

Como Spinoza fundamenta a tese do necessitarismo: “O necessário é a única modalidade do ser”?

A filosofia de Spinoza culmina na proposição de que as noções de realidade, determinação e atualidade se reúnem num único complexo onde tudo é necessário e, por conseguinte, nada é contingente. A contingência, aliás, é mera imaginação acarretada pela ignorância dos homens sobre as verdadeiras causas das coisas. De fato, “o que é, é pura necessidade”, nada […]

Continue Lendo

Sobre o Empirismo e o Racionalismo de John Locke

Sobre o Empirismo e o Racionalismo de John Locke

Classificar um filósofo em específico seja como racionalista ou empirista seja com quaisquer outros termos já implica numa aspiração árdua e abundante – e nesse caso classificar especificamente John Locke (1632 – 1704) como um empirista mitigado ou por outro lado um racionalista que não despreza a experiência é de um designo muito mais sutil […]

Continue Lendo

Hermenêutica: Etimologia e significado

Hermenêutica: Etimologia e significado

Um dos modos preambulares para compreender a Hermenêutica é a volta etimológica ao seu conceito, um exercício não apenas de curiosidade, mas, sobretudo, útil em seu entendimento. Segue-se que, de origem grega, a Hermenêutica (hermeneuein) é tida como a filosofia da interpretação, sendo originalmente afiliada à Hermes que, segundo a mitologia grega, chamado de “deus-intérprete”, costumava […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas