Tag: Agostinho de Hipona

Confissão Primeira

Em homenagem a Santo Agostinho, que no ano 430 morreu na mesma data que marcou este domingo (28 de agosto), decido fazer uma confissão virtual acerca do meu dia. São 03:13 da manhã e, em renúncia provisória do meu sono, ainda não dormi por estudar para um projeto de pesquisa. Confesso que 24 horas não […]

Continue Lendo

O Mestre: Linguagem e Conhecimento na Filosofia Agostiniana

1. BREVE HISTÓRICO: CONCEPÇÃO LINGUÍSTICA ANTERIOR E CONCOMITANTE A PLATÃO Apresentada desde antes dos gregos, a linguagem tinha uma relação mágica ou mítica com o universo, falar era participar do mesmo. As sociedades primitivas vêem a palavra como uma substância e uma força material, como um elemento cósmico do corpo e da natureza. Praticamente não havia […]

Continue Lendo

Discussões agostinianas e tomistas: A lei eterna e as leis temporais

Discussões agostinianas e tomistas: A lei eterna e as leis temporais

Quando se fala na existência de alguma lei eterna, várias são as discussões possíveis, pois há considerações filosóficas e jurídicas importantes a serem levadas em conta. Em primeiro lugar, a questão existencial da lei eterna envolve uma problemática complexa, já que requer uma minuciosa análise, verificando condições históricas, sociológicas, teleológicas, e inclusive teológicas. Então, a […]

Continue Lendo

Conhecimento experimental

Conhecimento experimental

Constituída de carne e tecidos, sinto-me em perfeito funcionamento corporal conforme fui geneticamente capacitada em nascimento. Conjuntamente, entre sangue e estrutura cerebral, pergunto-me de onde vêm as afecções sentidas neste tronco sobre o qual vividamente movo. Embora sem desenvoltura técnica, identifico todos os meus membros harmonicamente movimentando-se em ondas vibrantes, posso experienciar a energia por eles emanada. […]

Continue Lendo

A filosofia da natureza na Idade Média

A filosofia da natureza na Idade Média

Alguns historiadores partem do pressuposto de que o medievo evidenciou os pressupostos metafísicos e éticos da cristandade suprassumindo assim a investigação grega acerca da physis. Contudo, embora o cerne do pensamento cristão não fosse a physis, uma vez que seu fim era justificar o sobrenatural e a possibilidade do milagre a partir da potência absoluta […]

Continue Lendo

Carta n. 4

Recife, 03 de novembro de 2015 Caro amigo, Imagino o quanto sabes de minha prisão em busca do mundo invisível negando ao meu ser a frontal participação da realidade das tantas coisas que aqui vemos e vivenciamos. Ao acordar nesta manhã pensei na discussão que tivemos acerca de minha participação política no país ou, utilizando-me […]

Continue Lendo

As quatro Virtudes Cardeais

As quatro Virtudes Cardeais

Existem no Cristianismo quatro virtudes cardeais (ou cardinais) que polarizam todas as outras virtudes humanas. Este conceito, originado em Platão, foi adaptado por pensadores da Igreja como Santo Ambrósio, Santo Agostinho e São Tomás de Aquino. A virtude platônica passa por diferentes fases, todas elas bem apresentadas por Zoraida M. L. Feitosa na tese A Questão da Unidade e do […]

Continue Lendo

A felicidade no Livre Arbítrio Agostiniano

A felicidade no Livre Arbítrio Agostiniano

A Vida Feliz (386 d.C.) é evidentemente a obra de Santo Agostinho mais conhecida acerca da felicidade. Todavia o filósofo de Hipona está sempre retomando o conteúdo nela expresso por pensar ser o caminho para a virtude, impreterivelmente presente na vida cristã, também a passagem para a felicidade. Felicitar-se é uma determinação da boa vontade, sendo essa principiada pelo Livre Arbítrio (395 d.C.). É a vontade que pode […]

Continue Lendo

O lugar do homem nas ciências da natureza

O lugar do homem nas ciências da natureza

Um amigo queixava-se de como a ciência procede acerca da relação dos homens com as demais partes da natureza, isto é, dos animais e plantas. Partindo do pressuposto de que as ciências exatas eram também ciências humanas ainda que fossem designadas por Ciências da Natureza, meu amigo perguntou como elas podiam ser conduzidas, disse ele:  <<essas […]

Continue Lendo

O Livre Arbítrio: as leis dos homens e a ordem eterna

O Livre Arbítrio: as leis dos homens e a ordem eterna

Este texto tem por finalidade abordar o Capítulo 5 (Outras objeções: e os homicídios cometidos em autodefesa, admitidos pela lei civil?) e 6 (Solução: saber distinguir a lei eterna das leis temporais) da obra O Livre Arbítrio de Santo Agostinho. No início do Libre Arbítrio Agostinho versa sobre as seguintes questões: <<É possível matar, sem nenhuma espécie de paixão, […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas