Tag: René Descartes

O que significa “penso, logo sou”?

O que significa “penso, logo sou”?

| 28/04/2018 | 1 Comentário

1. Apresentação “Cogito, ergo sum” significa “penso, logo sou” [1]. Essa frase é de autoria do filósofo e matemático francês René Descartes (1596 – 1650). Na quarta parte da versão francesa de Discurso do Método (1637), essa sentença é formulada como “je pense, donc je suis” [2]; nesse sentido, “cogito ergo sum” é a sua […]

Continue Lendo

Crítica de G. K. Chesterton ao ceticismo da Modernidade

G. K. Chesterton, embora tenha vivido num momento histórico cujo império das opiniões circundava a praticidade antimetafísica, encontrou um direcionamento oposto à Modernidade, a saber, o seio da tradição cristã. Na sua busca, em primeiro lugar, ele intuiu que este mundo é incapaz de explicar-se. Em segundo, passou a acreditar que o sobrenatural tem algum significado, e que isso […]

Continue Lendo

Qual a diferença entre Descartes e Spinoza na definição de “substância” ?

Qual a diferença entre Descartes e Spinoza na definição de “substância” ?

A definição de substância cartesiana diz que é substancial toda a coisa que existe em si mesma sem precisar de qualquer outra para existir. No entanto, essa é sua significação stricto sensu, pois, adiante, o filósofo distingue a substância incriada das substâncias criadas, o que o leva, conforme comenta Spinoza, a ser clara e distintamente rígido […]

Continue Lendo

Concepções gerais do Reducionismo e o modelo de Ernest Nagel

Concepções gerais do Reducionismo e o modelo de Ernest Nagel

O termo redução vem do vocábulo latino re-ducere ou do alemão zurückführen (reconduzir) o que já nos aponta pelo menos um caminho, a saber: o ato de conduzir de volta conceitos, termos, leis, teorias ou objetos a partir de outros domínios que na verdade são seus correspondentes mais verossímeis. A conseqüência de tal feito é a […]

Continue Lendo

Quatro tipos de fenômenos mentais

Quatro tipos de fenômenos mentais

Uma caracterização geral e bastante sintética dos fenômenos mentais permite classificá-los em quatro modos, a saber: Estados sensoriais: Tais como as sensações determinadas (na qualidade de branco, preto, doce, amargo etc.) e as articulações dessas determinações, os estados sensoriais dizem respeito ao aspecto qualitativo pelo qual a totalidade de uma percepção é formada. A propósito, foi a partir de Descartes […]

Continue Lendo

A Moral Provisória de Descartes

A Moral Provisória de Descartes

Antes de ser filósofo o filosofante é um homem, por conseguinte, continua em contato com seu corpo, com outros homens e com o tempo e a cidade onde vive. Mais que isso, contínua e necessariamente ele deve agir, deliberar, fazer escolhas. Eis que surge um contratempo: no estágio da dúvida, enquanto se pode fazer uma suspensão […]

Continue Lendo

“Os filósofos são pessoas à parte e estranhas”

Não basta o título deste escrito, é preciso salientar novamente o que Pierre Hadot manifestou com êxito em determinada sexta-feira de 1983: “Os filósofos então são pessoas à parte e estranhas“. E ele disse mais: A filosofia está em toda parte, nos discursos, nos romances, na poesia, na ciência, até mesmo na arte; “todavia, é […]

Continue Lendo

A Douta Ignorância Cusana:  Do máximo absoluto à sua contração

A Douta Ignorância Cusana: Do máximo absoluto à sua contração

Através da realização de um breve levantamento da teologia medieval melhor podemos chegar ao cerne da filosofia de Nicolau de Cusa, um dos pensadores mais importantes do século XV. A Idade Média foi responsável por sintetizar as concepções gregas acerca da natureza e realizar algo similar a uma instrumentação de conhecimento sobre a teologia romana […]

Continue Lendo

Historicidade da Mecânica Celeste

O verdadeiro objetivo da Mecânica Celeste não é o cálculo das efemérides… mas reconhecer se a Lei de Newton é suficiente para explicar todos os fenômenos. D. Boccaletti, G. Pucacco, Theory of Orbits, vol. I, Springer, (1996). Desde os primórdios a humanidade tem interesse em conhecer os fenômenos celestes. A Astronomia destaca-se como uma das ciências mais […]

Continue Lendo

Medo: do movimento natural ao problema da finitude

A partir da semelhança entre as paixões dos diferentes homens, quem quer que olhe para dentro de si mesmo, e examine quaisquer uma de suas manifestações corporais e/ou psíquicas, poderá ver que são as mesmas que regem a todos os homens, especialmente naquilo que permanece desde o nascimento, isto é, o medo. O grande filósofo […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas